A BANDA

Com influências de jazz, pop e de ritmos da cultura popular, como frevo, maracatu e baião, a Silibrina apresenta, em seus shows, composições inéditas onde mostra, por meio da música instrumental, a brasilidade que faz parte das referências dos músicos que compõem a banda. Piano, baixo, guitarra e metais se juntam a instrumentos de percussão muito presentes na música popular do Brasil, como o caracaxá, ganzá, timbal, alfaia, gonguê e o pandeiro. O resultado leva o público a uma nova leitura das possibilidades musicais, que chega aos ouvidos de uma forma elegante e ao mesmo tempo eletrizante.

Com apresentações na América Latina, Estados Unidos, Canadá e Europa, a banda de música instrumental brasileira Silibrina, liderada pelo pianista Gabriel Nóbrega, conta com dois discos na bagagem: O Raio (2017) e Estandarte (2019).

Além de tocar piano, Gabriel Nóbrega assina as composições e arranjos do septeto e é acompanhado por Ricardinho Paraíso (baixo), Jabes Felipe (bateria), Franci Óliver (percussão), Wagner Barbosa (saxofone), Reynaldo Izeppi (trompete) e Gileno Foinquinos (guitarra), artistas de referências diversas, vindos de diferentes regiões do Brasil e extremamente atuantes no cenário musical em São Paulo.

GABRIEL NÓBREGA

// piano

 

Quando pequeno, iniciou a carreira como percussionista ao lado do pai, o pernambucano Antônio Nóbrega. É compositor, arranjador e tecladista da banda.

RICARDINHO PARAISO

// baixo

 

Multiartista, colunista da Revista BassPlayer, criador do instituto online “Técnicas incríveis”, Ricardinho possui alunos no mundo inteiro. 

JABES FELIPE 

// bateria 

 

Com 15 anos de experiência, já esteve ao lado de grandes personalidades da música instrumental do Brasil, foi o idealizador do Jabes Felipe Grupo e pesquisador do projeto “Som: Ritmos do Brasil”.

GILENO FOINQUINOS

// guitarra 

 

Um estudioso da música de origem amazônica-brasileira, já foi diretor musical da Bienal Internacional de Música no Norte e esteve ao lado de grandes artistas como Fafá de Belém, Lucinha Bastos e Sebastião Tapajós.

FRANCI ÓLIVER

// percussão

 

A paraense é educadora musical e instrumentista.

Sua pesquisa que tem como objeto a percussão em manifestações regionais do Norte do Brasil.

WAGNER BARBOSA

// saxofone

 

Dono do título de saxofonista brasileiro com sotaque de jazz americano, lançou um método de estudo para saxofone “Sax e sua mecânica, um novo caminho para sua digitação”. 

REYNALDO IZEPPI

// trompete

 

É musicista desde os 13 anos, começando os estudos na música erudita. Já integrou a grande orquestra Tom Jobim, além de tocar com grandes nomes como Carlos Lyra, Marcos Valle, Hermeto Pascoal e Big Band.